Ignorar Navegação

O que é uma base de dados relacional?

Como funcionam as bases de dados relacionais e como são controladas e geridas com sistemas de gestão de bases de dados relacionais

O que é uma base de dados relacional?

As bases de dados relacionais são um tipo de base de dados que armazenam e organizam pontos de dados com relações definidas para acesso rápido. Com uma base de dados relacional, os dados são organizados em tabelas que contêm informações sobre cada entidade e representam categorias pré-definidas através de linhas e colunas. Estruturar dados desta forma torna o acesso eficiente e flexível, motivo pelo qual as bases de dados relacionais são as mais comuns. As bases de dados relacionais também são criadas para compreender SQL, uma linguagem de programação padronizada que é utilizada para armazenar, manipular e obter dados. No SQL, existe uma linguagem incorporada para criar tabelas denominada Linguagem de Descrição de Dados (DDL) e uma linguagem para manipular dados denominada Linguagem de Manipulação de Dados (DML).

O que significa relacional? Relacional significa indicar ou formar uma relação. No contexto das bases de dados, a forma como definimos relacional aplica-se principalmente aos dados propriamente ditos. Os conjuntos de dados que são relacionais têm relações pré-definidas entre si. Por exemplo, uma base de dados que inclua informações de clientes de uma empresa também pode incluir dados de transações individuais anexados a cada conta. As bases de dados relacionais focam a atenção na relação entre os elementos de dados armazenados.

Características das bases de dados relacionais:

  • As bases de dados consistem em várias entidades
  • O SQL é a interface padrão
  • Altamente estruturada e representada através de um esquema (lógico e físico)
  • Reduz a redundância de dados

Como funcionam as bases de dados relacionais

Normalmente, as bases de dados relacionais utilizam tabelas com dados organizados em linhas (que contêm entidades) e colunas (que contêm atributos de entidades). Este processo é conhecido como normalização. Cada linha contém um identificador ou chave exclusivo que une tabelas para estabelecer uma relação. Quando uma base de dados relacional é consultada, a chave é utilizada para encontrar dados relacionados entre conjuntos de dados. Por exemplo, um suporte técnico tecnológico pode querer monitorizar as interações dos clientes por tipo de problema, tempo para resolver o problema e satisfação do cliente. Nesta base de dados, o que cria uma relação e faz com que a estrutura da tabela funcione bem é o ID de cliente unificador.

Exemplos de bases de dados relacionais

As bases de dados relacionais são úteis para qualquer necessidade de informação em que os pontos de dados se relacionam entre si e também têm de ser geridos de forma consistente, segura e baseada em regras. Isto é o que os torna mais populares para negócios e empresas. Quando as empresas querem tirar informações dos seus próprios dados, contam com bases de dados relacionais para gerar análises úteis. Muitos dos relatórios que as empresas geram para monitorizar o inventário, finanças, vendas ou fazer projeções futuras são criados com bases de dados relacionais.

Como são organizados os dados numa base de dados relacional? Os dados em bases de dados relacionais são armazenados, pesquisados e obtidos a partir de tabelas com relações. Numa base de dados relacional, o esquema da base de dados define a forma como os dados são organizados tanto lógica como fisicamente.

As bases de dados relacionais têm um modo de consistência ou integridade baseado em quatro critérios: atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade (ACID). Eis o valor de cada propriedade de bases de dados ACID:

  • A atomicidade define elementos que formam uma transação completa.
  • A consistência define regras para manter a integridade dos dados após uma transação.
  • O isolamento mantém os efeitos das transações invisíveis para outras, para que não se compitam entre si.
  • A durabilidade garante que as alterações de dados se tornam permanentes após cada transação consolidada.

Estes critérios tornam as bases de dados relacionais úteis em aplicações que exigem elevada precisão, como transações financeiras e de revenda, também conhecidas como processamento de transações online (OLTP). As instituições financeiras contam com bases de dados para monitorizar enormes quantidades de transações de clientes, desde consultas de saldo a transferências entre contas. Uma base de dados relacional é ideal para a banca, uma vez que foi criada para lidar com um grande número de clientes, alterações de dados frequentes a partir de transações e tempos de resposta rápidos.

Exemplos da bases de dados relacionais incluem SQL Server, Azure SQL Managed Instance, Base de Dados SQL do Azure, MySQL, PostgreSQL e MariaDB.

O que é uma base de dados relacional MySQL?

O MySQL é uma base de dados relacional SQL open-source comum que executa todos os comandos SQL básicos, como escrever e consultar dados. Um sistema de gestão de bases de dados (DBMS) fiável, estável e seguro, o MySQL é amplamente adotado porque suporta a maioria das principais linguagens de programação e protocolos. Na verdade, o MySQL é robusto o suficiente para servir como o arquivo de dados principal para muitas grandes organizações. O MySQL também é adequado como uma base de dados incorporada para software, hardware e aplicações.

Normalmente, o MySQL inclui funcionalidades de segurança flexíveis e fortalecidas, como a verificação baseada no anfitrião e o tráfego encriptado com palavra-passe. Os programadores Web preferem muitas vezes o MySQL, uma vez que é fácil de utilizar e contém funcionalidades de produtividade, como vistas atualizáveis, procedimentos armazenados e acionadores (procedimentos especiais que são executados quando ocorrem ações específicas no servidor de bases de dados). O MySQL é um motor transacional popular para plataformas de comércio eletrónico porque é perito em gerir coisas como transações, perfis de cliente e informações de inventário de produtos. Concebido para ser altamente compatível com outros sistemas, o MySQL também suporta a implementação em ambientes virtualizados, como plataformas na cloud.

O que é um sistema de gestão de bases de dados relacionais?

As bases de dados relacionais foram concebidas para gerir grandes quantidades de informações de clientes críticas para a empresa. No entanto, à medida que os dados numa base de dados aumentam e assumem mais complexidade, torna-se cada vez mais difícil mantê-los organizados, acessíveis e seguros. É nessa altura que os sistemas de gestão de bases de dados (DBMS) ajudam ao adicionar uma camada de ferramentas de gestão para tabelas relacionais. Tal como as diferentes estruturas de bases de dados, os diferentes sistemas de gestão oferecem diferentes níveis de organização, escalabilidade e aplicação. Quando administradores trabalham com grandes volumes de dados estruturados e não estruturados (macrodados) recebidos em tempo real, os sistemas de gestão de bases de dados relacionais (dbases) ajudam a analisar e agregar os dados para encontrar relações predefinidas. Controlar os dados com um RDBMS traz o máximo de utilidade para as empresas, uma vez que torna os dados utilizados em várias aplicações ou localizados em várias localizações mais fáceis de gerir.

Os RDBMS utilizam software que fornece uma interface consistente entre utilizadores e aplicações e a base de dados, tornando a navegação muito mais simples para os utilizadores de dados. Isto é particularmente eficaz ao trabalhar com macrodados, uma vez que o volume de dados dita essa consistência para os utilizadores que combinam consultas. Escolher um DBMS depende do local onde os seus dados residem, do tipo de arquitetura utilizado e da forma como pretende dimensionar.

O que é um modelo de base de dados relacional?

Um modelo de base de dados relacional é normalmente altamente estruturado e compreende a linguagem de programação SQL. Muitas bases de dados utilizam um modelo relacional, uma vez que foram concebidas para organizar dados e identificar relações entre pontos de dados chave, facilitando a ordenação e a pesquisa de informações. A maioria dos modelos relacionais segue a estrutura de tabelas tradicional baseada em colunas e linhas, fornecendo uma forma eficiente, intuitiva e flexível de armazenar dados estruturados. O modelo relacional também resolve o problema de várias estruturas de dados arbitrárias em bases de dados.

Os modelos de bases de dados relacionais podem variar desde sistemas de computador pequenos a grandes sistemas com base na cloud. Utilizam uma base de dados SQL ou podem processar instruções SQL para pedidos e atualizações. Os modelos relacionais são definidos por estruturas de dados lógicas (tabelas, índices e vistas) e são mantidos separados de estruturas de armazenamento físico (ficheiros físicos). A consistência de dados é uma marca dos modelos de bases de dados relacionais, uma vez que mantêm a integridade dos dados entre aplicações e cópias de bases de dados, também denominadas instâncias. Com uma base de dados de modelo relacional, várias instâncias de uma base de dados têm sempre os mesmos dados.

As bases de dados relacionais projetadas na cloud são configuradas automaticamente para elevada disponibilidade, o que significa que os dados são replicados ou copiados em múltiplos membros, com cada membro em zonas de disponibilidade separadas. Desta forma, os dados continuam acessíveis, mesmo que um datacenter individual esteja inacessível.

Macrodados e bases de dados relacionais

As bases de dados relacionais tradicionais são criadas para lidar com grandes volumes de dados estruturados. Isto torna as bases de dados relacionais particularmente adequadas para macrodados estruturados, uma vez que contam com o SQL e podem utilizar sistemas de gestão de bases de dados para controlar os dados. No entanto, cada vez mais, os conjuntos de dados maiores e mais complexos dos macrodados contêm mais variedade, o que significa que os dados estão-se a tornar cada vez menos estruturados e vêm de novas origens. Muitas vezes, isto exige a utilização de bases de dados não relacionais (NoSQL), que suportam a utilização de dados não estruturados ou semiestruturados.

Perguntas mais frequentes

  • Uma base de dados relacional utiliza SQL para organizar e tornar dados pesquisáveis em estruturas de tabelas ligadas por informações relacionadas.

    Saiba mais

  • Um sistema de gestão de bases de dados relacionais (RDBMS) utiliza software para gerir e controlar dados na base de dados.

    Saiba mais

Como podemos ajudá-lo?