Com a mudança para a cloud, a equipa de operações de TI redesenha o modelo de monitorização da infraestrutura

Descubra como uma abordagem centralizada à monitorização permite que as equipas de TI e de aplicações empresariais acrescentem mais valor às respetivas funções.

O desafio: Adaptação a um modelo de funcionamento na cloud

Nos tempos em que a equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão, que faz parte da organização Core Services and Engineering (CSEO) da Microsoft, geria a infraestrutura num ambiente centralizado de monitorização e alertas, o modelo era claro: concebia um serviço independente que as equipas de aplicações empresariais consumia. Depois, a Microsoft migrou para a cloud e o modelo deixou de funcionar.

À medida que a empresa mudava os sistemas e as aplicações internas para o Azure, as equipas de aplicações empresariais criaram as respetivas máquinas virtuais (VMs) e queriam ter controlo total sobre as mesmas, mas a responsabilidade de as monitorizar e gerir ainda era da equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão. As tentativas de dividir responsabilidades não resolveram o problema. A equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão percebeu que, com a mudança para a cloud, a melhor forma de cumprir a sua missão de capacitar as equipas de desenvolvimento era abandonar o negócio de monitorização diária e promover um modelo de monitorização descentralizado novo.

"The move to Azure redefined the relationship between business app teams and us … It literally broke how we worked, including our accountability model, and we had to redesign our support services to accommodate the new self-service cloud model."

Dana Baxter, Engenheira Principal de Serviços de Plataformas de Capacidade de Gestão

Alterar a cultura de controlo

Inicialmente, a equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão tentou criar o seu próprio conjunto de subscrições do Azure que as equipas de aplicações empresariais pudessem utilizar. Depressa descobriram que ainda havia constrangimentos para as equipas que queriam administrar as coisas elas próprias. Com a disponibilidade das capacidades de automatização e self-service no Azure Monitor, a equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão viu a oportunidade para substituir o seu modelo centralizado e ceder a responsabilidade pela monitorização às equipas de aplicações empresariais. Ao mesmo tempo, a equipa sabia que teria de promover uma mudança cultural desafiante para ultrapassar a resistência.

No entanto, tinham primeiro de garantir que a parte das operações do novo modelo de DevOps estava a funcionar. Limparam uma série de alertas antigos, de cerca de cem para 15, e depois criaram um conjunto de ferramentas no GitHub para ajudar as equipas das aplicações empresariais a monitorizar a sua própria infraestrutura. O conjunto de ferramentas constituiu-se como a proteção que ajudou a equipa de Plataformas de Capacidade de Gestão a deixar de sentir desconforto pelo facto de ter de abdicar do controlo de algo que controlavam há anos. O último passo envolveu um grande e multifacetado esforço de comunicação e formação ao nível de toda a organização.

"Our KPIs used to be all about alerts, trouble tickets, time to resolution, and so on. Today they're around things like inventory, security patching, compliance, and other components of enterprise manageability."

Dana Baxter, Engenheira Principal de Serviços de Plataformas de Capacidade de Gestão

A monitorização descentralizada capacita ambas as equipas

A transição para uma abordagem descentralizada e self-service à monitorização e criação de relatórios empresariais não foi fácil, mas valeu a pena. Agora, as ferramentas de relatórios e os dashboards que o Azure Monitor e o Power BI oferecem permitem que as equipas de aplicações empresariais monitorizem mais facilmente qualquer parte do seu ambiente. Com a possibilidade de personalizarem rapidamente os seus próprios dashboards e alertas para que estejam alinhados com a forma como gerem as aplicações, as equipas configuraram o ambiente de monitorização que melhor satisfaz as suas necessidades. Em vez de disponibilizarem um serviço de monitorização diário que as equipas de desenvolvimento consomem, os membros das equipas de Plataformas de Capacidade de Gestão são hoje consultores importantes na parceria com o desenvolvimento. Mais importante, ficam livres para se poderem dedicar a projetos mais estratégicos e de olhos postos no futuro, como aplicação de patches de segurança e conformidade, que acrescentam mais valor ao negócio.

Veja em mais detalhe o percurso que a equipa seguiu para adotar um modelo de funcionamento na cloud.

Ler a história completa