O que são as "Consultas DNS" do Gestor de Tráfego?

Sempre que um utilizador aceder à sua aplicação, é utilizada uma consulta DNS para mapear o nome do seu serviço para o respetivo endereço IP. Ao fornecer respostas diferentes a consultas DNS diferentes, o Gestor de Tráfego permite encaminhar o tráfego de entrada em vários serviços alojados do Azure, independentemente de estarem a ser executados no mesmo datacenter ou em diferentes datacenters em todo o mundo. O Gestor de Tráfego oferece-lhe vários métodos de encaminhamento de tráfego, incluindo desempenho, ativação pós-falha e round robin. Ao utilizar estes métodos para gerir eficazmente o seu tráfego, pode garantir desempenho, disponibilidade e resiliência elevados para as suas aplicações.

Gestor de Tráfego

Perguntas e respostas relacionadas

  • O Gestor de Tráfego permite-lhe melhorar a disponibilidade das suas aplicações mais importantes, ao monitorizar os pontos finais do seu serviço Azure alojado e ao proporcionar capacidades de ativação pós-falha automática em caso de falha de um serviço. Para tal, o Gestor de Tráfego monitoriza continuamente o estado de funcionamento de cada ponto final de serviço. Quando estas "Verificações do Estado de Funcionamento" detetam uma falha num serviço, o Gestor de Tráfego reencaminha o tráfego para os outros serviços.

  • Sim, os preços para as consultas DNS e para as verificações do estado de funcionamento são iguais, independentemente do método de encaminhamento de tráfego que utilizar.

  • Ao fazer uma consulta DNS, o computador do utilizador não contacta diretamente os servidores de nomes do Gestor de Tráfego. Em vez disso, estas consultas são enviadas através de servidores DNS recursivos executados por empresas e ISPs. Os servidores colocam em cache as respostas DNS, para que as consultas dos outros utilizadores possam ser processadas mais depressa. Visto que as respostas colocadas em cache não chegam aos servidores de nomes do Gestor de Tráfego, não acarretam custos. A duração da colocação em cache é determinada pelo parâmetro "TTL" na resposta DNS original. Este parâmetro pode ser configurado no Gestor de Tráfego. A predefinição são 300 segundos e o mínimo são 30. Ao utilizar um TTL superior, pode aumentar a quantidade de vezes que os servidores DNS recursivos procedem à colocação em cache e, consequentemente, reduzir os custos com as consultas DNS. No entanto, quanto maior a colocação em cache, maior o impacto sobre a rapidez na deteção de alterações ao estado dos pontos finais por parte dos utilizadores, por exemplo, os tempos para a ativação pós-falha dos utilizadores em caso de falha de um ponto final tornar-se-ão mais prolongados. Por este motivo, não recomendamos a utilização de valores de TTL muito grandes. Do mesmo modo, um TTL mais curto oferece tempos de ativação pós-falha mais rápidos; contudo, visto que a colocação em cache é reduzida, as contagens de consultas em relação aos servidores de nomes do Gestor de Tráfego são maiores. Ao dar-lhe a capacidade de configurar o valor de TTL, o Gestor de Tráfego permite-lhe tomar a melhor opção em termos de TTL com base nas necessidade comerciais da sua aplicação.